Argentina,  Jujuy,  Road Trip,  Salta

Road Trip pelo Noroeste Argentino – Dicas Gerais.

No final de maio de 2019, fomos desbravar o Noroeste Argentino. Copilei todas as dicas que dei pelo Instagram, neste post desta região que superou demais nossas expectativas!

Passagens áreas para o Noroeste Argentino

Compramos nossas passagens com pontos Livelo e por causa disso tivemos que passar a noite no aeroporto tanto na ida, como na volta. Na volta ok, estamos indo para casa. Mas na ida tirou bastante nosso ânimo para o primeiro dia, mas conseguimos cumprir quase todos os pontos do roteiro programado.

As duas cidades principais do Noroeste Argentino são San Salvador de Jujuy e Salta. Escolhemos iniciar e terminar a nossa viagem por San Salvador de Jujuy, mas outras opções de passagens são: Salta, Open Jaw Salta-Jujuy ou Open Jaw Jujuy-Salta.

Valle de Lerma, próximo a Salta capital

Eu tentei a terceira opção (Open Jaw Salta-Jujuy – chegada por Salta e retorno por Jujuy), mas as passagens saiam quase o dobro de ida e volta por Jujuy. Nem sempre fica mais caro, então teste todas as possibilidades. A gente poderia ter economizado o trecho de viagem de carro de Jujuy a Salta no primeiro dia, mas no fim não atrapalhou nosso roteiro.

Se você não tiver milhas suficientes, não se preocupe. Sempre tem promoção de passagem para lá, que nunca ultrapassam os 800 reais por pessoa, ida e volta, geralmente com uma bagagem despachada incluída.

Reserva de Carro

Reservamos nosso carro pela Reservecar, um site no estilo rentalcars, rentcars, mas com sede aqui em São Paulo. Isso facilitou muito quando percebi pouco antes de viajar que não haviam me enviado o voucher. Uma ligação nacional (local) e 1 minuto depois já estava resolvido!

Nós reservamos o carro com a Hertz. Não paguei IOF e ainda consegui parcelar! Nós brasileiros para dirigirmos na Argentina não precisamos de PID, só de nossa carteira de motorista dentro da validade.

Eu escolhi um carro de categoria melhor, um Sedan pela foto, pois nossas malas são grandes, mas recebemos um Onix. Eles nos disseram que esse era o carro que eles tinham para aquela categoria, mas o carro era praticamente pelado, só tinha vidro elétrico na frente e olhe lá. Tivemos que colocar uma das malas no banco do passageiro.

Nosso carrinho na Ruta 68 de Cafayate a Salta

Fora esse problema, o carro era ultra mega blaster econômico!!! Nós rodamos cerca de 1500 km em 8 dias e gastamos somente 90 litros de combustível (quase 17 litros por quilômetro) !!! E olha que nós subimos muito morro (em um dos dias saímos dos 2400 metros de altitude e chegamos aos 4350 metros) usando no máximo a terceira marcha!

Vai alugar carro? Certifique-se que suas hospedagens tenham estacionamento incluído, principalmente em Salta, que tem zona azul em quase todo canto.

Roteiro de 8 dias pelo Noroeste Argentino

Nosso roteiro ficou assim, nada corrido. O número de dias e o planejamento de cada dia foram bem adequados.

Roteiro Salta Jujuy - Road trip Argentina

Em verde estão os lugares onde passamos a noite! Os demais dados referem-se aos pontos principais, no entanto, paramos em muitos outros lugares no caminho!! Um desses pontos são as Serranías del Hornocal, que entrou no meu TOP 10 experiências bárbaras!

A gente saía do hotel entre 8-9h e voltávamos entre 18-19h. Nesta época que fomos (maio/junho), os dias amanheciam por volta das 8h e escureciam por voltas das 18h30-19h.

Opção para quem não gosta de vinho

Caso você não goste de vinho, pode cortar o dia que passamos em Cafayate só visitando bodegas e voltar para Salta já no dia seguinte. Mas você terá que dormir pela região, pois a ruta 40 é ultra cansativa, já que são 125 quilômetros de estrada de terra (sim, 125 km!!).

Neste caso, pode fazer o passeio do Tren de Las Nubes, que sai de Salta. O passeio é parte em ônibus e parte em trem, o mais alto (em altitude) do mundo. Dizem que o cenário é incrível.

Geralmente eles têm saídas às terças e sábados, mas não sei por que eles não tiveram saída no dia 1/6 (sábado – até mandei email para confirmar), e as duas terças que estávamos lá eram exatamente nossos dias de chegada e retorno… o passeio dura o dia inteiro. Há também a opção de você fazer só a parte de trem. Neste caso, você terá que ir por conta até San Antonio de Los Cobres.

Gosta de vinho e quer fazer o passeio de Tren?

Se você quiser ficar um dia em Cafayate, como nós, e fazer o passeio de trem, você precisará de mais um dia no seu roteiro porque mesmo nós, que temos um ritmo mais acelerado de viagem, não teríamos condições de incluir o passeio de trem sem cortar algo.

Gastos totais para 8 dias pelo Noroeste Argentino

Nossos gastos totais (casal) para 8 dias de viagem:

Observações desta tabela:

  • Para o hotel no centro de Salta (Hotel Ankara Suites) usei um cupom de desconto de R$100,00 do booking;
  • Para o hotel de Cafayate (Patios de Cafayate) eu tinha uma diária grátis no valor de R$270,00 pelo hoteis.com;
  • O hotel de San Lorenzo (Hotel Selva Montaña) usei milhas Smiles (não contabilizado);
Hotel Selva Montaña
  • Para o Airbnb de Tilcara (Sumalagua) usei um cupom de desconto de R$85,00;
  • O valor das passagens aéreas referem-se somente às taxas aeroportuárias;

Dicas Gerais

1) Melhor época para visitar

Entre abril a novembro. Os meses de verão são muito quentes e secos. No entanto, nessa época pode chover, e você pode ter a soltar de ver as Salinas Grandes alagadas, como no Salar de Uyuni!! Mesmo em maio/junho sofri um pouco com o tempo seco.

A região tem um clima parecido com o Atacama, ou seja, tardes mais quentes e manhãs e noites frias, o ano todo. A umidade do ar é baixa, mas muito pior na região de Jujuy, a apenas 100km do Deserto do Atacama (de San Pedro de Atacama são 200km de distância). Já Salta Capital, por outro lado, fica no meio de um bioma de floresta e é bem mais úmido.

Portanto, não deixe de levar:

  • Protetor solar;
  • Protetor labial;
  • Hidratante;
  • Colírio para umedecer os olhos;
  • Soro Fisiológico;
  • Bastante água para se hidratar (Boa notícia, pode tomar água da torneira, é potável! Tem um gostinho, mas bem sutil. Tomamos todos os dias da torneira e não tivemos piriri! Testado e aprovado!).
Bodega Piatelli em Cafayate

Vai fazer roadtrip?

2) Estradas

As estradas do Noroeste Argentino passam por muuuuuitos quilômetros em meio à natureza (vontade de parar o tempo inteiro!!), ou seja, muitas oferendas a Pachamama (nome carinhoso que demos às idas ao banheiro ao ar livre)!! Portanto, não deixe de levar papel higiênico e/ou lenço umedecido e saquinho de lixo (por favor, não vá deixar o seu papel ou lenço jogado lá, seja um turista consciente!).

3) Posto de combustível

Postos de combustível você só encontrará nas grandes cidades do Noroeste Argentino. Por onde passamos tinha em Salta, Cafayate, Tilcara, Humahuaca e San Salvador de Jujuy.

Nós abastecemos somente 3x, sempre quando chegava no meio tanque, uma vez em Cafayate, uma vez em Tilcara e uma vez para devolver o carro em SSJ. Dê preferência aos postos da bandeira YPF (dica dos locais). Tirando o posto de SSJ, todos aceitavam cartão de crédito.

Todos os postos têm frentistas. Dar gorjeta fica a seu critério, se ele lavou seus vidros, completou a água, etc.

A maioria dos carros alugados utiliza gasolina, que nos postos YPF será a “Super” (gasolina comum). Ultra é diesel comum S500, Infinia é gasolina aditivada e Infinia diesel é o S10.

4) Blitz policial

No Noroeste Argentino tem muita blitz policial. Perdi as contas de por quantas passamos. Possivelmente seja devido à proximidade com a Bolívia.

Algumas vezes nos fizeram parar para perguntar algo e muitas passamos direito, mas em nenhuma vez nos fizeram estacionar e revistar o carro.

Como se comportar: ao perceber a blitz, reduza a velocidade, ligue o pisca-alerta e abra o vidro do motorista. Todas as vezes que perguntaram de onde a gente vinha, respondemos Brasil (na verdade eles queriam saber de onde a gente vinha naquele dia, mas Brasil nos fazia escapar de qualquer outra pergunta!). Desligue o pisca alerta depois de passar pela blitz e pode seguir viagem tranquilamente.

Quebrada del Escoipe

5) Radares e pedágios

Não passamos por nenhum pedágio e radares havia os do tipo “lombada eletrônica” e os móveis, com uma blitz policial logo em seguida parando os apressados. Não vimos radares fixos (tomara que seja porque não existem).

6) Estacionamento

Até mesmo nos pueblos têm “zona azul” na região central, mas em cada lugar era um horário. Logo, verifique antes de estacionar e descubra com quem comprar. Também tem a opção de parar o carro fora do centrinho, normalmente é perto.

Em San Salvador de Jujuy a zona azul era diferenciada dependendo da distância do centro, quanto mais longe, mais barato. Verifique qual zona você está antes de comprar o talão, para não comprar o errado. Os talões você compra com vendedores credenciados que estão identificados por um colete verde limão.

Não pretende fazer roadtrip

7) Agências

Não aconselho fazer com agência. Alugue um carro!

Não sei se sai mais barato (bom, ao menos um dos passeios sairia 1/3 do valor, acredito que possa ser esse o panorama geral). Por outro lado, você fica com o roteiro dependente deles e não terá a possibilidade de fazer todas as paradas que fizemos. As coisas não são próximas, então deve ser ainda mais cansativo fazer com agência.

No centrinho das principais cidades do Noroeste Argentino têm algumas agências para fazer os passeios da região da cidade onde você estiver.

Salinas Grandes

8) Esquema mochileiro

Até dá para fazer, mas alguns pontos você terá que pedir carona. Vimos muitos mochileiros e locais pedindo carona, mas não nos sentimos seguros para dar. Pra gente, carona só na cidade pequena onde você nasceu e conhece todo mundo…

Tem ônibus intermunicipal para as principais cidades e o transporte interno é praticamente nulo, pois são pueblos muito pequenos.

Lógico que vimos mochileiros por lá, mas com certeza eles estavam num ritmo e com uma proposta de viagem bem diferente do nosso.

9) Câmbio

Fizemos no aeroporto de Ezeiza cotação 1 real para 10,8 pesos argentinos. A melhor cotação que encontramos em Salta foi 1 real para 10 pesos (melhor lugar de todas as cidades do Noroeste Argentino). Em Tilcara, encontramos 1 para 8!!!!

Nós trocamos 2 mil reais e faltou dinheiro, tivemos que pagar algumas coisas no cartão de crédito. Mas se você não for viciado em vinhos como a gente, acredito que dê 2 mil reais para duas pessoas para 8 dias.

Não sei qual era a cotação para dólar e euro, pois eu nunca levo essas moedas nas minhas viagens pela América do Sul. Mas já fiz os cálculos e considerando a dupla conversão, dá quase na mesma (às vezes você consegue uns reais a mais, outras você perde uns reais).

10) Chip de celular

Nas outras vezes que fomos à Argentina, usamos a Claro, que sempre foi a opção mais barata e com um ótimo sinal. Logo, assim que chegamos em Salta, passamos na loja deles e compramos dois chips pré-pagos com 2Gb cada para 10 dias ao custo de 360 pesos os dois.

No entanto, a Claro só tinha sinal de internet em Salta Capital e em San Salvador de Jujuy (capital da província de Jujuy). Grande parte da viagem a gente estava no meio do nada mesmo, nem nos pueblos pegava internet, mesmo a gente vendo as antenas, as vezes até passamos ao lado delas!

Foi quando os locais nos informaram que somente a Personal pegava mais ou menos bem naquelas regiões mais remotas. Portanto, se forem visitar esta região, comprem o chip da Personal que tem quiosque lá no aeroporto de Ezeiza.

Los médanos

11) Esquema espanhol de alimentação

No noroeste argentino costuma-se almoçar a partir das 13h e jantar a partir das 20h. Você até pode encontrar restaurantes abertos antes desses horários. No entanto, são poucos e geralmente o atendimento é um pouco demorado, pois eles ainda estão se organizando (experiência própria!).

Eles fazem siesta. Geralmente as lojas fecham entre 13 e 17h e os restaurantes entre 15 (maioria)/16h e 19h/20h (maioria).

12) Gorjeta em restaurantes

Geralmente se dá entre 10 e 15% se gostou do serviço. Não vem na conta como no Brasil. Não confundir com os cubiertos, que é uma coisa completamente diferente.

13) Cubiertos

Alguns restaurantes cobram cubiertos, que seria o uso dos talheres, guardanapos e etc. Sim, bizarro.

É comparável com o couvert brasileiro, pois uma lei recente obriga a oferecer com essa cobrança pão, algo para passar no pão e um copo de água. Nem sempre os restaurantes cumprem, mas às vezes você pode até pedir água com gás que tá incluído.

Não dá para dispensar como aqui, você paga mesmo se não comer, mas também não custa os olhos da cara. O mais caro que pagamos foram 30 pesos, menos de três reais por pessoa. Ah, esse valor não vai pro garçom, então não diminua a gorjeta dele com base no valor dos cubiertos, ele não tem culpa.

Guánacos

14) Curiosidades

Na Argentina eles costumam falar Buen Día e não Buenos Días! Quando a gente fala Buenos Días eles já sabem que você não é argentino!!!

Além disso, LL e Y têm som de J, então llama soa como jama, paella é paeja, Yo é Jo e assim vai! Esse sotaque também é característico de uruguaios!

error: