Argentina,  Cafayate,  Salta,  Vinhos

Cafayate – conheça essa região vinícola argentina

Se você já tomou vinho da uva Torrontés provavelmente já ouviu falar de Cafayate na Argentina. Cafayate é segunda maior região produtora de vinhos na Argentina, perdendo apenas para Mendoza.

O centro de Cafayate está a 1700 metros de altitude e a região é conhecida por produzir vinhos de altitude desde o início do século XIX. Lá estão os vinhedos mais altos do mundo produzindo vinhos de alta qualidade.

Como dito anteriormente, a uva símbolo de Cafayate é a Torrontés, uma uva branca que produz vinhos de aromas adocicados, mas sabores cítricos. Por este motivo é também conhecida como uva mentirosa!!

Essa informação aprendemos na degustação na bodega AMP Cava, na região de Maipu em Mendoza.

Ela se adaptou muito bem ao clima seco e de altitude da região. A Torrontés está para Cafayate assim como Malbec está para Mendoza.

No entanto, os clássicos Malbec, Cabernet, assim como Tannat, uva símbolo uruguaia, também têm seu espaço na região. Inclusive em Cafayate foi onde o Tannat se deu melhor na Argentina, produzindo vinhos bem característicos e tão gostosos quanto os uruguaios.

Cafayate, Argentina

E foi isso o que mais me surpreendeu por lá: vinhos com características únicas, representando bem o terroir de Cafayate! Até velhos conhecidos ganharam uma nova roupagem.

Se você é um apreciador de vinhos, não deixe de visitar Cafayate e se encantar com esse cantinho incrível da Argentina.

Como chegar em Cafayate

Cafayate fica na província de Salta, Argentina, distando cerca de 190 km da capital de mesmo nome. Há tanto voos diretos ou com escala em Buenos Aires.

Você pode chegar até Cafayate, via terrestre, tanto pela ruta 68 como pela ruta 40, esta a mais icônica estrada argentina, cruzando o país de norte a sul com seus 5 mil km de extensão.

Minha dica é ir por uma via e voltar por outra, para curtir as belezas naturais das duas com calma. Em outro post falo mais detalhadamente sobre o que fazer e ver nas duas rotas.

Se estiver de carro, ao cruzar com um posto de combustível, abasteça seu carro! Eles são coisa rara nas duas rotas!

Saiba como organizamos nossa road trip de 8 dias pelo noroeste argentino.

Como circular pela cidade

Não há dúvidas de que a melhor forma é alugar um carro.

Mas se esse não for seu caso, lhe restam duas opções: fazer passeios com agências ou alugar uma bike. Algumas hospedagens disponibilizam esta opção aos seus hóspedes!

Quanto tempo ficar

A região merece pelo menos dois dias e uma noite, mesmo para aqueles que não são amantes de vinhos.

Isso porque os dois caminhos que levam à cidade possuem cenários de fazer cair o queixo e merecem ser contemplados com calma. Passeios com agências não permitirão que você contemple o tempo que quiser, pare onde quiser. Bate e volta então, nem pensar!

Friso nisso: essa região merece ser explorada de carro ou moto!

África do Sul também é um país que super recomendo explorar de carro. Saiba como organizamos nossa road trip de 17 dias pela África do Sul.

Além disso, a viagem é cansativa. Principalmente pela ruta 40. São 125 km de estrada de terra! Socorro! Logo, mais que recomendo passar uma noite por lá para descansar e seguir viagem pelas duas rotas no seu tempo.

Onde se hospedar

Se estiver sem carro, prefira se hospedar no centro, onde estão localizados a maioria dos restaurantes, lojas e agências de turismo.

Agora se estiver de carro, aí o leque amplia bastante. Você terá como opção também as hospedagens nas próprias vinícolas, que foi nossa escolha.

Nós nos hospedamos no Pátios de Cafayate Wine Hotel, um mimo que me dei de aniversário. E ainda fui presenteada com um upgrade!!!

Ele fica em meio aos vinhedos da Bodega El Esteco, fundada em 1892. Os quartos são grandes e com decoração em estilo colonial, inclusive com mobiliário original.

Os jardins são incríveis e curtir o fim do dia aos pés da piscina rodeada pelo vinhedo foi uma experiência bárbara!

Hotel Patios de Cafayate, Argentina
E ainda tinha gato! Tem como não amar esse lugar?

No local está localizado também o restaurante La Rosa. Comida maravilhosa, num ambiente super agradável e acompanhada dos deliciosos vinhos da El Esteco. Para quem está hospedado há ainda a degustação gratuita, porém não está incluída a visita guiada.

Eu simplesmente amei o local e a experiência. Logo ao chegarmos fomos recepcionados com uma taça de espumante. O café da manhã é variado e bem gostoso. Quartos confortáveis, ótimo atendimento. Amei!

O que fazer

Vinícolas

São cerca de 30 vinícolas na região que podem ser visitadas. A maioria fica próxima ao centro, entre 2 e 5 km. Logo, bike segue sendo uma boa opção para quem está sem carro.

Nossas escolhas

Bodega El Esteco

Fizemos a degustação oferecida aos hóspedes, composta por 3 vinhos brancos e 4 tintos. Um dos nossos vinhos preferidos, o Fincas Notables, é de lá.

Bodega Piatelli

Existem duas unidades na Argentina: uma em Mendoza e uma em Cafayate. Ela foi fundada por uma família italiana que migrou para a Argentina em 1940. A produção é orgânica e limitada. Os vinhos são incríveis.

Fizemos o almoço de 5 passos harmonizados com 5 vinhos além de uma taça de espumante ao chegarmos. Foi uma experiência mais que Barbara para comemorar muito bem meu aniversário! Não fizemos a visita guiada. 

Aberta todos os dias das 10 às 19h.

Bodega San Pedro de Yacochuya

Focado no Malbec, também produz Torrontés e Tannat. A bodega é minúscula e produz somente 300 barricas de vinho por ano.

Fizemos a visita guiada, gratuita, mas não fizemos a degustação, pois incluía somente os vinhos de entrada da bodega. Ainda temos um vinho deles em nossa adega aguardando o momento certo.

Aberta de segunda a sexta das 10 às 18h e sábado das 10 às 13h.

Bodega Domingo Molina

Vinícola familiar, com vinhedos localizados entre 1500 e 2300 metros de altitude. Escolhemos a degustação de 5 vinhos, que foram acompanhados por água e uns biscoitinhos. Adoramos o Tannat deles. São produzidas poucas garrafas apenas com as melhores colheitas.

Bodega Domingo Molina, Cafayate, Argentina
E essas cores de outono!

Aberta todos os dias das 10h às 17h.

Não deu para ir, mas recomendo: Finca Las Nubes

Estava nos planos, mas não deu tempo de ir, acabamos ficando mais tempo que o planejado na bodega Piatelli.

Porém, nós experimentamos um vinho Malbec de entrada deles em Salta que era simplesmente maravilhoso. Fico imaginando os top de linha! Então recomendo fortemente a visita. Além disso, nos disseram que é um ótimo lugar para aproveitar o pôr-do-sol.

Aberta todos os dias das 10 às 19h.

Precisa fazer reserva?

Diferentemente de Mendoza, a maioria das bodegas de Cafayate não necessita de reserva. Nós fomos nas que nos recomendaram no hotel. Impressionantemente não planejei nada desse dia – e olha que era meu aniversário!

Se não quiser ir tão na louca como nós (normalmente não somos assim, tá!), certifique-se do horário de funcionamento das vinícolas e se há necessidade de fazer uma reserva.

Já Mendoza foi uma dor de cabeça não só para escolher as vinícolas mas também para fazer reserva. Saiba como foi que escolhemos as vinícolas para visitar em Mendoza.

Centro de Cafayate, Argentina

Museo de la Vid e Vino

Para quem quer aprender mais sobre o clima e solo da região, como se desenvolvem as videiras, a história das primeiras bodegas, conhecer instrumentos e ferramentas utilizados no comecinho da vitivinicultura e comercialização do vinho.

Além disso, se tem pouco tempo, a lojinha do museu vende vinhos de quase todas as bodegas da região. Uma mão na roda!

Aberto de terça a domingo das 9 às 19h.

Plaza 20 de Febrero

É a praça principal da cidade. Nela encontramos a Catedral Nuestra Senora del Rosario, construída em estilo colonial e barroco do século XIX; e o Mercado Central, com muitas opções de artesanato local.

Catedral Nuestra Senora del Rosario, Cafayate, Argentina

Além disso, é ali o lugar para quem quer curtir a noite na cidade. O centro fica super animado, quando os restaurantes colocam as mesas nas calçadas e há muita música e dança.

Centro de Cafayate, Argentina

Belezas naturais

Estes são alguns pontos de destaque sobre o quais falarei mais detalhadamente em outro post:

Mendoza também vai além do vinho. Saiba como foi nosso roteiro pelo percurso conhecido como Alto Montanha.

Lós Médanos

São dunas de areia branquinha em meio a uma paisagem predominada por montanhas mais escuras, algumas atingindo cerca de 25- 30 metros de altura.

Los Médanos - Cafayate, Argentina

Quebrada de Las Flechas

São formações rochosas pontiagudas, semelhantes a flechas, formando em alguns pontos desfiladeiros com paredes com mais de 20 metros de altura. Excelente opção para curtir um maravilhoso pôr do sol.

Quebrada de las Flechas - Cafayate, Argentina

Quebrada de Las Conchas

São formações rochosas vermelhas que contornam o leito do rio Las Conchas formando desfiladeiros, emoldurada pela Cordilheira dos Andes.

Que sorte que temos de ter pertinho da gente esse paraíso que é a Cordilheira dos Andes. Saiba mais sobre o que visitar nessa maravilhosa cadeia montanhosa sul americana!

Quebrada de las Conchas - Cafayate, Argentina

O relevo foi esculpido por movimentações tectônicas e pelas erosões eólicas e fluviais, culminando em formações geológicas únicas e surpreendentes.

Quanto custa viajar para Cafayate

O noroeste da Argentina é muito barato, incluindo Cafayate.

Mesmo sendo uma região vinícola, que tende a ser mais cara, ainda é pouco explorada, tornando o lugar ainda mais atrativo. Os preços por lá nada se comparam aos de Mendoza.

Comprou muito vinho? Saiba quais são as regras para levar vinho na bagagem na Argentina.

Não pagamos por nenhuma degustação, pois esta era gratuita quando se comprava algum produto.

Até mesmo o almoço harmonizado não foi caro. Realmente não me lembro do valor exato, mas foi algo em torno de 150 reais cada um.

O jantar no restaurante do hotel ficou em torno de 150-200 reais o casal, incluindo uma garrafa de um vinho delicioso da El Esteco, blend reserva Malbec com Tannat! Credo, que delícia!

E sabe aquele hotel mara? Duas diárias por apenas R$ 479,21 o casal!!!!!!

E aí, que tal incluir Cafayate na sua próxima ida à Argentina???

Apaixonado por vinhos?

Inspire-se com essas outras indicações de regiões vinícolas no Brasil e no mundo:

13 Comments

  • Deyse Marinho

    Muito bacana essa experiência Cafayate na Argentina. Tenho apreciado muito o enoturismo e com certeza vou incluir essa região argentina em meu roteiro!

  • Danielle

    A gente sempre ouve falar de Mendoza e achei sensacional as suas dicas sobre Cafayate! Um lugar ainda pouco explorado pelo turismo, onde não precisa agendar a visita e acredito eu, que o custo da viagem deve ficar mais em conta, não?
    Foi difícil acher voo de bUenos Aires para Cafayate? Geralmente eles disponibilizam um por dia, certo?
    Poderia informar se as vinícolas possuem restaurante e/ou hospedagem? Obrigada

  • Lulu Freitas

    Amei as dicas para conhecer a região da Cafayate! Já salvei o post, porque fiquei com vontade de fazer essa road trip (tomando cuidado para abastecer sempre o carro para não fica a pé, né?). Fiquei chocada com o preço daquele hotel incrível!!

  • Polliana Ribeiro

    Já havia pesquisado sobre Cafayate há algum tempo e não tinha achado informações tão precisas e completas sobre essa região das vinícolas. Valeu!

  • Symone

    Nossa desesperada aqui para fazer esse roteiro, esse ano Cafayate estava nos meus planos, mas infelizmente tudo desse ano terá que ficar para o próximo rrsss… mas seu roteiro está maravilindo. Todas as dicas salvas!

  • Andrea

    Eu amei tudo nesta visita de vocês a região de Cafayete, desconhecia totalmente esta parte da Argentina e me apaixonei pelas fotos. Mais um lugar para a lista de desejos.

  • GISELE PROSDOCIMI

    Ah, Bárbara, que judiação, você conseguiu juntar em um único post vinícolas maravilhosas, atrações imperdíveis e gastronomia de qualidade e com preço honesto, rsrs.
    Fica até difícil não incluir Cafayate, esta linda região vinícola na argentina, não é? Me lembrarei deste post quando conseguir visitar este destino tão atraente, obrigada.

  • Juliane

    Conheço muito pouco da Argentina, mas confesso que fiquei curiosa. Que lugar lindo, cada paisagem deslumbrante! E os vinhos devem ser maravilhosos! Arrependida de não ter conhecido ainda!

  • Helen Pusch

    Eu ando há horas namorando essa região noroeste da Argentina, e certamente vou querer incluir a região vinícola de Cafayate no roteiro.
    Fiquei babando com as fotos das refeições harmonizadas de vocês!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: