Valle de la Luna – Deserto do Atacama

O Valle de la Luna é um dos principais passeios do Atacama. Situado a apenas 13 km do centro de San Pedro de Atacama (SPA) é uma excelente opção para começar a explorar o deserto, sobretudo porque está a apenas 2500 metros de altitude, não necessitando de muita aclimatação.

A região recebeu este nome pois, até o homem pisar na Lua em 1969, acreditava-se que sua superfície se assemelharia à da Lua.

Entretanto, a semelhança não é tão grande, ainda que o nome já tivesse pegado! Seja como for, não dá para negar que o local possui uma paisagem de aparência bastante inóspita, talvez mais parecida com Marte na maior parte do ano.

Cordilheira do Sal

A Cordilheira do Sal surgiu há cerca de 20 milhões de anos. Composta por argila, gesso e sal, foi esculpida gradualmente pela erosão eólica e fluvial, principalmente.

A região já parte do oceano e atualmente é uma das maiores reservas salinas do mundo. Com o movimento das placas tectônicas, o assoalho marítimo foi sendo levantando e verticalizado formando montanhas, cavernas, dunas e esculturas em rochas.

E é nesse cenário que está inserido o Valle de la Luna!

O que ver no Valle de la Luna

Na maior parte do ano, você encontrará o Valle de la Luna em tons de marrom e vermelho. No entanto, durante o inverno altiplânico, a paisagem pode mudar bastante!

O inverno altiplânico ocorre entre os meses de janeiro a março, durante o qual pode cair uma chuvinha no fim da tarde na região do Deserto do Atacama. E é nesse período que o Valle de la Luna pode ficar branquinho, pois o sal aflora das rochas, face à umidade.

É nessa mesma época que pode se formar o espelho d’água no Salar de Uyuni. Nós fomos na época seca, que já é de cair o queixo!

Os passeios guiados costumam fazer paradas nos seguintes pontos:

Três Marias ou Os Penitentes – formação rochosa que se assemelha a três pessoas;

Surpreendentemente, essa foi a foto que eu tirei… pegou só essa pontinha.

Grande Duna – uma duna de areia gigante. Atualmente não pode subir, com intuito de preservá-la. Mas é possível fazer uma trilha até um morro ao lado da grande duna, de onde se tem uma vista privilegiada de 360° de todo o Valle de la Luna;

Grande Duna
Um trecho da trilha

Anfiteatro – formação rochosa autoexplicativa simplesmente maravilhosa;

Anfiteatro

Cânion e cavernas das Cuevas de Sal – durante o inverno altiplânico pode formar um pequeno rio! Os passeios incluem caminhar por entre e dentro delas.

Tenha cuidado com a cabeça! Nosso guia nos alertou para termos esse cuidado, mas não o suficiente! Bati com tudo, de ver estrelas!! Inesperadamente para mim, as rochas sedimentares de sal são extremamente duras!

Foi numa dessas passagens que bati a cabeça.

Valle de la Muerte

Os passeios incluem também uma visita ao Valle de la Muerte, mas quando fomos ele estava fechado para visitação com agências.

Contudo, para nossa sorte, estava aberto o acesso para pedestres ou bike. E foi assim que o visitamos. Contarei nossa experiência em outro post.

Mirador de Kari

Depois de visitarmos o Valle de la Luna, a segunda e última parada foi no Mirador de Kari para apreciar o pôr do sol.

É lá que fica a famosa Pedra do Coyote que, como o nome diz, assemelha-se à cabeça de um coiote. No entanto, não é mais permitido tirar fotos em cima dela por motivos de segurança, já que a rocha apresenta uma grande rachadura. Sem contar que basta um escorregão pra virar história.

Inegavelmente de lá se tem uma das melhores vistas da Cordilheira do Sal, como também dos arredores de SPA. O pôr do sol é simplesmente maravilhoso, para encerrar o dia muito bem!

Ah! Assim que o sol se puser, não deixe de observar as cores do lado oposto. É um outro espetáculo à parte!

Considerações Finais

Agência

Nota 8/10, pois o ar condicionado do carro estava meio ruim e o dia bem quente. Contudo, o guia era excelente, tornando o passeio instrutivo e gostoso.

Passeio

Imperdível! Mas faça ele primeiro, porque ele é menos surpreendente quando você o faz no final, como no nosso caso.

Grande Duna do lado esquerdo e Anfiteatro do lado direito.

Em geral este passeio é realizado no período vespertino, com saídas entre 14 e 16h, dependendo da época do ano, e com duração de 3 a 4 horas.

Diferenciais entre agências

  • Eventualmente pode ser oferecido um pequeno coquetel durante o pôr do sol. Não foi nosso caso;
  • O ingresso da atração pode estar incluído no preço do passeio (pergunte antes). Também não foi nosso caso. Assim sendo, leve dinheiro trocado (somente são aceitos pesos). Na época pagamos 3 mil pesos;
  • Parada mais longa na entrada do Valle de La Luna. Nosso passeio parou na entrada somente para pagamento do ingresso. Todavia, é possível que outras agências façam uma parada mais longa para aqueles que querem conhecer o pequeno museu que há ali, com painéis explicativos sobre a história e formação da região, além de fragmentos de rochas;
  • Ordem de visitação e parada para o pôr do sol. Algumas agências podem admirar o pôr do sol do mirador (como nós), do Valle de la Luna ou do Valle de la Muerte.

O que levar

  • Casaco corta vento quentinho, pois na hora do pôr do sol a temperatura baixa drasticamente;
  • Sapatos confortáveis para caminhar na areia;
  • Protetor solar e protetor labial;
  • Água, principalmente para a primeira parte do passeio quando a temperatura é bem alta e muito seco.

Variação de temperatura

Na primeira parada fica entre 20-30°C e na última parada entre 10-0°C, ao longo do ano.

Dá para fazer por conta?

Sim, inclusive de bike! Nos arrependemos um pouco de não ter feito dessa forma, mas talvez teríamos perdido algumas coisas pela falta do guia.

Por fim, vale ressaltar que até a entrada são cerca de 5km do centro, em estrada asfaltada. No entanto, após a entrada, são cerca de 7 km até a região de interesse do Valle de la Luna, em estrada de terra e areia, além de ter alguns trechos com subidas.

Mais sobre o Atacama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: