Japão no outono: elegância e cores dos Momijis

A floração das cerejeiras é linda e, provavelmente, deve ser um espetáculo observa-la no início da primavera no Japão, mas eu não trocaria de forma alguma a experiência bárbara que tive durante o outono na terra do sol nascente!

Antes de começar a viajar para locais com estações bem delimitadas, sempre fui louca pelo inverno, simplesmente por causa das temperaturas.

Mas, depois de vivenciar o verdadeiro outono, este se tornou a minha estação favorita, especialmente após nossa viagem ao Japão. Foi uma das experiências mais incríveis que já tive na vida!

Tão incrível que ela entrou na minha lista de top 10 experiências bárbaras!

O outono no Japão ocorre entre setembro e dezembro (mesma época da nossa primavera), mas a mudança de cores das folhas das árvores e arbustos pode ser visualizada a partir de meados de outubro até começo de dezembro. 

Koyo Zensen

O Koyo Zensen seria essa mudança gradual das cores das folhas até caírem ao final do outono. Assim como o Sakura Zensen (floração das cerejeiras), esse fenômeno natural é monitorado e apreciado pela população local e turistas em diversos parques e jardins de templos por todo o país.

Koyo Gari ou Momiji Gari é arte de apreciar a mudança de cores das folhas. Tem duração de mais ou menos um mês, com seu auge no mês de novembro. Nesta fase do outono, em qualquer ponto do Japão, a vegetação terá suas folhas em tons de amarelo, laranja e vermelho.

A Koyo Zensen assim como a Sakura Zensen são duas épocas muito especiais para os japoneses, pois ambas nos lembram que tudo na vida é passageiro. Desta forma, precisamos aproveitar cada momento antes que ele acabe.

Por que ir ao Japão durante o Outono?

– Definitivamente não é baixa temporada, mas ao contrário da Sakura Zensen, o Koyo Zensen tem uma duração maior, então dá para se planejar melhor e conseguir preços mais atrativos de passagens e hospedagem.

Saiba quais itens são essenciais para viajar ao Japão, um deles ajuda muito no quesito economia!

– Durante toda a temporada do outono, muitos parques, templos e jardins possuem programação especial, como por exemplo iluminação noturna que destacam não só as edificações, mas também a vegetação.

– O outono no Japão é a época das colheitas, que é comemorada com diversos festivais em diversos pontos do país.

– Se você curte provar comida local, sendo época de colheita, a gastronomia está em alta com produtos sazonais frescos e saborosos.

– O outono no Japão apresenta temperaturas amenas, agradáveis e com menor incidência de chuvas, ideal para atividades ao ar livre. No entanto, o casaco é indispensável, pois quando venta a sensação térmica reduz bastante.

Momiji e Ginkgo

As árvores símbolo do Japão são o Momiji e o Ginkgo e, inegavelmente, ambos dão um show durante o outono!

O Momiji, conhecido aqui no Brasil como bordo japonês, é uma espécie nativa do Japão, Coreia do Sul e China. Ele é considerado a estrela do outono, pois suas folhas passam por todos os tons típicos da estação antes de caírem.

Assim como as Sakuras estão para a Primavera, os Momijis estão para o Outono.

Já o Ginkgo (“ichō” em japonês) são árvores altas e elegantes que não mudam para o vermelho, mas suas folhas adquirem um tom de amarelo dourado intenso. Essas árvores são frequentemente encontradas nos santuários xintoístas, pois acreditam que abrigam os espíritos locais.

O Ginkgo inspirou o símbolo da cidade de Tóquio, por sua folha em formato da letra “T”. Além disso, suas sementes são comestíveis!

Onde apreciar as cores do outono no Japão

Por onde você andar com certeza cruzará com um Momiji no seu caminho!

Mesmo que você não vá para o Japão no auge do outono, não será muito difícil encontrar momijis com suas folhas em diversos tons, bem como outras árvores e arbustos. Há variedades que são vermelhas o ano todo.

Vou citar 10 lugares que devem estar no seu roteiro pelo Japão caso o visite durante o outono.

Fica a dica: Alguns desses locais também são excelentes para a temporada de cerejeiras!!!

Yamanashi – Lago Kawaguchiko

Yamanashi é uma província repleta de montanhas e lagos no interior do Japão, localizada a cerca de 115 km de Tóquio. O local perfeito para praticar o Momiji Gari é na região dos Cinco Lagos do Fuji (Yamanakako, Kawaguchiko, Saiko, Shojiko e Motosu).

O lago Kawaguchiko tem fácil acesso a partir de Tóquio e você pode explorar a região a pé (com ajuda do ônibus) ou de bike, passando em meio aos momijis enquanto aprecia um dos principais cartões postais do país, Monte Fuiji!

No lago também acontece o Festival das Folhas de Outono de Fuji-Kawaguchiko nas duas primeiras semanas de novembro, com barraquinhas de comida e produtos locais, que ocorre pertinho do Momiji Kairo, um belíssimo túnel formado pelas copas dos Momijis!

Osaka – Parque Minoo

O Parque Minoo fica a apenas 30 minutos do centro de Osaka e oferece diversas trilhas pavimentadas em meio às montanhas, passando por templos budistas. O ponto mais procurado é a cachoeira Mino, com 33 metros de altura, rodeada por vegetação.

É um excelente lugar para apreciar as cores do outono no Japão, principalmente na segunda quinzena de novembro.

Ao longo de toda a trilha principal há quiosques de comida e produtos locais. Foi lá que experimentamos tempurá de folhas de momiji!

Himeji – Jardim Kokoen

O Kokoen é um jardim japonês composto por 9 jardins murados em diferentes estilos, refletindo a arquitetura do período Edo.

Sua entrada fica próxima ao portão principal do castelo de Himeji. O Kokoen é incrível para apreciar as cores do outono. Simplesmente maravilhoso!

Nara – Parque de Nara

O Parque de Nara ocupa uma enorme área e possui diversos templos, bosques, um lago cheio de tartarugas e carpas e é lar de milhares de cervos que andam livremente pelo local.

Os cervos são considerados animais sagrados pelos japoneses e ganharam o título de Tesouro Nacional do país. Segundo a crença xintoísta, esses animais devem viver livres na natureza.

Embora sejam animais selvagens, a maioria dos cervos de Nara são dóceis. No entanto, cuidado com seu mapa, sua sacolinha, seu lixo, pois eles gostam de comê-los!

O respeito ao bem estar do animal deve ser prioridade. Não dê qualquer alimento para eles. Nos quiosques vendem ração especial para alimentá-los. Aqui não temos um exemplo de turismo animal exploratório.

Não estava oferecendo nada para ele. Mas como muitos turistas e locais costumam dar ração para eles, muitos se aproximam com segundas intenções.

O parque é gratuito e pode ser facilmente acessado tanto de Osaka, quanto de Quioto.

Hiroshima – Ilha de Miyajima

A Ilha de Miyajima é um lugar sagrado, lar de diversos templos e santuários.

Pegue o bondinho e suba até o topo do Monte Misen, de onde se tem uma linda vista e acesso a trilhas.

Da base da ilha, você pode seguir as trilhas que beiram os riachinhos, passando por templos em meio à vegetação.

Assim como em Nara, a ilha também é habitada por diversos cervos.

Gifu – Vilarejo de Shirakawa-go

Para a nossa sorte (adores de frio), quando visitamos o vilarejo de Shirakawa-go, pegamos uma frente fria forte que acabou adiantando o fim do outono, então muitas das árvores já tinham perdido suas folhas.

Isso não quer dizer que a gente tenha perdido tempo, de forma alguma. O vilarejo de Shirakawa-go com suas casas tradicionais é uma excelente pedida em qualquer estação do ano. E as folhas caídas no chão deram um charme todo especial ao local!

O vilarejo é pequenininho e você o conhece todo a pé. Caminhe por entre as casas e entre naquelas abertas para visitação, vá até o Mirante de Shirayama para ter uma vista completa do apaixonante vilarejo.

Quioto

Iluminação noturna – Templos Toji e Eikando

Esses dois templos recebem iluminação especial à noite tanto na temporada de cerejeiras como no outono.

O Templo Toji abriga o prédio em madeira mais alto do Japão, uma pagoda de cinco andares, totalizando 55 metros de altura, que fica ainda mais imponente com a iluminação noturna.

Já o Eikando, também conhecido como Templo Zenrinji, é mais famoso e atrai multidões, literalmente! Pegamos uma fila monstro para entrar, sem contar os jardins que estavam lotados, mas valeu a pena. Os jardins são lindos, com passarelas interligando os edifícios.

Templo Kiyomizudera

Uma pena que nesse dia pegamos chuva e não deu para aproveitá-lo tão bem.

Yu com capa, guarda chuva e folhinhas de Momiji!

Situado no alto de uma pequena montanha, além da vista incrível dos jardins no outono, ainda se tem uma vista da cidade de Quioto. Mas lógico que isso tem um preço, não tem como fugir da subida para acessá-lo.

Além da vista incrível, a própria varanda de onde se tem essa vista é um espetáculo à parte. Foi construída a 13 metros do solo, utilizando madeira japonesa e nenhum (zero) prego!

Se tiver uma boa imaginação, você conseguirá ver Quioto naquele fundo branco!! Aliás, essa à direita é a varanda!

Assim como os demais templos, também recebe iluminação especial noturna na primavera e no outono.

Tóquio – Jardim Rikugien

Com estilo típico do período Edo, foi criado em 1702 e localiza-se no centro de Tóquio.

O jardim é enorme e oferece diversas opções de trilhas fáceis. Não só tem destaque durante o outono no Japão, mas também na temporada das cerejeiras. Inclusive é considerado um dos melhores lugares de Tóquio para o Momiji Gari.

Nestas duas temporadas o jardim fica aberto por mais tempo, já que também oferece iluminação especial noturna.

Outono no Japão

Lógico que há muitas outras cidades, parques, templos em que se pode contemplar o melhor da estação. Mas eu ia ficar aqui para sempre escrevendo!

Portanto, prepare sua máquina e seu fôlego. O Japão é simplesmente maravilhoso no outono!

Outono

Conheça outros lugares onde você pode aproveitar a melhor estação do ano! Essas são as sugestões das meninas do grupo “Viagens por Escrito”:

13 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: