Américas,  Brasil,  Ilhabela,  Organizando sua Viagem,  Trilhas,  Turismo de Experiência

Trilha do Pico do Baepi em Ilhabela

O Pico do Baepi é a quinta montanha mais alta de Ilhabela e a mais fácil de escalar, além de ser a mais icônica e ter o melhor visual. Com 1048 metros de altitude ele se destaca na paisagem da Ilha por apresentar o pico desprovido de vegetação. Inclusive o nome Baepi em tupi-guarani significa montanha careca!

Pico do Baepi se destaca no skyline de Ilhabela.
Olha ele ali, bem no centro da imagem!

O Pico do Baepi faz parte do Parque Estadual de Ilhabela e a trilha para atingi-lo tem cerca de 3,7 km de extensão, cada trecho, e um desnível de 848 metros.

Durante a trilha é possível avistar diversos espécimes da fauna, flora e funga típicos da Mata Atlântica. Alguns exemplos da flora são jequitibás, figueiras, bromélias, helicônias.

Entre exemplares da funga temos cogumelos e orelhas de pau.

E nos exemplares da fauna há pica-pau-de-topete-vermelho, araponga, catita-de-listra, esquilo-caxinguelê, lagartos, aranhas, dentre outros.

Como chegar em Ilhabela

Ilhabela está a cerca de 210 km de São Paulo. O acesso se dá pelas rodovias Ayrton Senna, Carvalho Pinto e Tamoios ou pela rodovia Rio-Santos.

Já do Rio, Ilhabela está a cerca de 440km de distância e o acesso se dá pela rodovia Rio-Santos.

Caso vá de ônibus, a companhia que realiza o percurso em São Paulo é a Pássaro Marrom e no Rio é a Viação Útil. Em ambos os casos, os passageiros desembarcam próximo à balsa em São Sebastião e a travessia deve ser realizada a pé, sem custo.

Chegada à Ilhabela.

Já os veículos pagam pela travessia. Verifique os valores no site da DERSA, no qual você pode também consultar o tempo de espera, de travessia e reservar horário.

Como chegar ao início da trilha do Pico do Baepi

A trilha começa no Bairro do Itaguaçu. Ao sair da balsa, siga para o norte da ilha (esquerda!), até a praia do Itaguaçu. Vire a primeira à direita após o restaurante Ilha Deck, na esquina da rua Almirante Tamandaré com rua Dona Isa.

Suba seguindo sempre pela esquerda até onde acabam as ruas. Esse último trecho do caminho de carro até o início da trilha já é bem inclinado, para dar aquele gostinho do que está por vir!! Após subir cerca de 200m de altitude, existem duas “caixas d’água” da SABESP. A trilha inicia depois delas.

Pico do Baepi em Ilhabela
A seta indica as caixas d’água. Na imagem dá até para ver o início da trilha.

Se perdeu na explicação? Não se preocupe! Há placas do Parque Estadual de Ilhabela indicando o caminho! Estacione o carro e se prepare!

Tá sem carro? Considere pelo menos mais 30-60 minutos para subir esse primeiro trecho a pé.

Precisa de guia?

O trajeto é todo bem sinalizado com placas em madeira indicando altitudes e distância percorrida ou a percorrer. Ademais, possuem informações sobre a fauna e flora local. Por este motivo, não há necessidade do acompanhamento de um guia para fazê-la. Entretanto, se quiser ver o nascer do sol, neste caso, recomendo contratar um guia.

Porém, encontrei informações desencontradas sobre a necessidade de agendamento prévio para realização da trilha. Por isso, entre em contato com a administração do Parque Estadual de Ilhabela antes de se aventurar. Email: pe.ilhabela@fflorestal.sp.gov.br; Telefone: 12 3896-2585

Mesmo que não precise de autorização, ainda assim não se esqueça que você estará dentro do Parque Estadual. Logo, comporte-se de maneira adequada e respeite as regras.

Não deixe lixo pelo caminho, não faça fogueiras (vários incêndios já ocorreram na região), não colete plantas e animais e é proibido acampar. Principalmente, mantenha-se na trilha demarcada.

Deixe tudo do jeito que encontrou para que outros também possam desfrutar da mesma experiência. Respeito ao próximo e à natureza sempre em primeiro lugar!

Nível da trilha

Na minha opinião a trilha é de nível médio-alto, mas com o trecho final de maior dificuldade e mais técnico. No entanto, caso você não tenha um bom condicionamento físico, ela pode se tornar mais cansativa, exatamente por ser uma subida sem fim!

Obstáculos na trilha do Pico do Baepi
Obstáculos pelo caminho

Duração da trilha para o Pico do Baepi

Tudo vai depender do seu condicionamento físico. Em geral, a subida leva entre 2h30 e 4h e a descida entre 1h30 e 2h. Logo, a duração é de pelo menos 4h, sem considerar o tempo de permanência no alto do Pico do Baepi.

Consequentemente, só é permitido inicia-la até o meio dia. Considere esta informação para se programar.

Quando subir?

Evite a época chuvosa do verão, pois a trilha fica escorregadia. Dê preferência aos meses de abril a outubro. Veja também o índice de chuvas nos dias anteriores à sua visita.

Que comece a trilha rumo ao pico do Baepi!

A trilha inicia em um sapezal a céu aberto. Logo no comecinho há um mirante de onde já se tem uma bela vista do canal de São Sebastião. Depois de admirar a paisagem, siga pela trilha, ainda a céu aberto, que leva para a mata fechada.

Mirante do Sapezal
Vista do mirante do sapezal

Este trecho leva cerca de 30 minutos. Pode não parecer, mas é uma das piores partes, pois é extremamente abafado naquela região, além do sol forte na cabeça. Ainda, o mato ali corta e pode ter carrapatos. Portanto, vá de calça e manga comprida.

Sapezal no início da trilha do pico do Baepi

A partir daí entra-se na mata fechada, muito mais fresca e úmida. Porém é aí também que inicia a subida sem fim!

Grande parte da trilha possui degraus assimétricos feitos na terra que, apesar de facilitar em alguns pontos, dificulta em outros por serem bem altos. Estes degraus estão ali também para evitar a erosão do solo.  Há também algumas escadas em madeira para ajudar a transpor rochas maiores.

Ao final, face à elevada aclividade, há trechos em que é necessário usar cordas e ganchos ancorados às rochas para chegar ao cume.

Trecho final da trilha do pico do Baepi
Trecho final

De repente, a mata se abre completamente e é possível ter uma incrível visão de 360°. Podemos avistar o canal, as cidades de São Sebastião, Caraguatatuba, Ubatuba, a Serra do Mar, a ilha de Alcatrazes e a mata atlântica praticamente intocada do Parque Estadual de Ilhabela.

Atente-se!

  • Ilhabela, também conhecida como capital do borrachudo, não perdoa nem na trilha do Pico do Baepi. Portanto, não esqueça do repelente;
  • Use e abuse do protetor solar e labial;
  • Leve pelo menos 1,5 litros de água por pessoa;
  • Leve lanchinhos leves;
  • Tem sinal de celular o caminho todo. Caso ocorra alguma emergência, ligue para a administração do parque (12 3896-2585) ou para os bombeiros (193);
  • Existe a possibilidade de encontrar cobras no caminho. Fique atento! Se tiver, use polainas protetoras!
  • Use sapatos adequados, calça, blusa de manga comprida (com uma regata/top por baixo), chapéu e óculos de sol.
  • Caso tenha, um bastão de trilha ajuda muito. Mas não é essencial.
  • No retorno, as pernas estarão tremendo. Consequentemente, alguns escorregões e tombos podem acontecer. Utilize botas de trilha, com solado mais aderente e pise firme. Se necessário, percorra os trechos mais íngremes com os pés na diagonal;
  • Não faça fogueiras;
  • Recolha todo seu lixo.

Nossa experiência

Nós fizemos a trilha do Pico do Baepi em julho de 2006. Estávamos eu, o Yu e as duas irmãs mais novas dele, sendo que a mais nova tinha 12 anos à época. Me lembro que ela encarou super de boa (talvez até melhor que eu e já falo o porquê!).

Estávamos de carro, então já cortamos a primeira grande ladeira para chegar até o início da trilha. Fomos sem guia e, na época, não havia necessidade de autorização.

Reservamos o dia para isso. Iniciamos a trilha por volta das 8h40 e chegamos no cume perto do meio dia. Ficamos lá cerca de 1h e retornamos ao carro por volta das 16h.

Início da trilha para o Pico do Baepi

O trecho do sapezal foi bem complicado tanto na ida como na volta, mas principalmente no retorno quando o cansaço se somou ao calor que fazia naquele trecho. Extremamente abafado por conta da posição do sol, que batia em cheio nele à tarde.

A parte em mata fechada é super tranquilo. Por não termos pontos de referência, não percebemos quão inclinada é a trilha, somente pelo esforço físico.

O problema foi quando chegamos no finalzinho, na parte técnica. Começou a me dar um certo receio de fazer aquele trecho na volta.

O dia que descobri meu medo!

Mas creio que a sensação que mais me recordo e mais me marcou nesta trilha, foi quando chegamos próximo ao cume. Neste momento a mata se abre e você vê o canal lá embaixo, bem distante.

Parque Estadual de Ilhabela, vista do Pico do Baepi

Minhas pernas começaram a tremer de tal forma que mal conseguia andar. E chorei, chorei, chorei e me grudei na rocha. Foi naquele momento que percebi que tinha medo de altura!

Entrei em pânico, estava desesperada com o retorno. A preocupação anterior, no trecho técnico, tomou uma proporção muito maior. Somente após uns 15-20 minutos grudada na rocha e desidratada de tanto chorar, que consegui apreciar a vista e tirar umas fotos.

Tentando parecer plena!

Acabou que a volta nem foi tudo que eu havia imaginado. Chegamos no carro exaustos, porém com uma sensação incrível de ter conquistado aquele pico tão icônico de Ilhabela.

Peguei gosto!

Depois disso me apaixonei por trilhas! Mesmo chorando nas subidas (sim, ainda choro), sigo trilhando. Porque ao final de toda subida tem uma vista incrível que medo nenhum vai me impedir de vivenciar aquela experiência bárbara!

Pico do Baepi

Mais sobre Ilhabela

Tem post sobre a trilha entre as Praias do Bonete e a Praia de Castelhanos, passando por outras 5 praias.

Tem também sobre a trilha para a Praia do Gato que conseguiu superar a Praia do Jabaquara no quesito borrachudo!!

Cansou de trilha? Pera que tem mais uma para chegar na Piscina Natural de Ilhabela!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: