Seguro viagem anual – quando contratá-lo?

Planejando viajar por um longo período? Já ouviu falar sobre seguro viagem anual? Neste post vou explicar o que é e as razões para contratar um seguro viagem.

Por fim, também darei algumas dicas no que se atentar antes da contratação de um seguro viagem, seja ele anual ou não.

Seguro viagem é necessário?

O seguro viagem, seja ele semanal, mensal ou anual, deve ser prioridade de todo viajante. A principal razão para isso é justamente os custos de atendimentos médicos por todo o mundo.

Só para exemplificar, nós, que sofremos um grave acidente na Namíbia e tivemos vários problemas com atendimento médico por lá, sabemos bem disso.

Não são todos os países que têm acesso gratuito à saúde, muito menos para estrangeiros. Até mesmo nos que possuem, pode ser complicado conseguir consultas. Sendo assim, contratar um seguro pode te poupar tempo e estresse desnecessário. Sobretudo, poupar muito dinheiro!

Por exemplo, em países como os Estados Unidos, uma consulta devido a um resfriado simples pode facilmente passar dos 150 dólares. Você já viu a taxa do câmbio hoje?

Se estamos sujeitos a imprevistos em uma viagem curta, imagina em uma viagem longa. A probabilidade de precisar de atendimento médico é muito maior.

E não vá pensando que só o seguro viagem do cartão de crédito vai resolver todos os seus problemas, porque não vai. Experiência própria!

Obrigatoriedade do seguro viagem anual

São poucos os países que têm como obrigatoriedade a contratação de seguro viagem para estrangeiros com visto de turismo. Entretanto, a lista aumenta no caso de viagens longas.

No caso de intercâmbio, a maioria das escolas exige a contratação de um seguro viagem mais longo, podendo ser na modalidade anual.

Da mesma forma, ao fazer uma pós ou um estágio de longa duração, o seguro viagem também é exigido e, na maioria dos casos, o seguro viagem anual é o que tem melhor custo benefício.

Isso porque ele tem algumas vantagens que nem todos os seguros viagem comuns oferecem:

Cuidados odontológicos

Você sabia que a maioria dos seguros possuem cobertura odontológica? Numa viagem longa, é algo a se considerar.

Em caso de dores e outros problemas bucais, ao contratar um seguro viagem anual não será necessário tirar do próprio bolso os valores de consultas e tratamentos.

Entretanto, vale mencionar que as coberturas odontológicas nesses tipos de seguros geralmente cobrem consultas somente em casos de dor ou problemas em dentes naturais.

Sendo assim, é muito comum ver nas condições gerais dos seguros exclusões de órteses, próteses e aparelhos.

Mas, pelo menos com o serviço de assistência que muitas operadoras prestam, é possível achar um bom dentista próximo de onde você está.

Outras coberturas

O seguro viagem anual também irá te proteger em diversas outras situações. Por exemplo, em caso de atraso ou extravio de bagagem, atraso ou cancelamento de voo, dentre outros casos.

Ah! Geralmente incluem também coberturas importantes como regresso sanitário e até mesmo traslado de corpo. E, ainda, paga indenizações em caso de invalidez ou morte acidental. Esperamos nunca ter que passar por isso, mas se precisar é melhor contar com essa ajuda.

Cobre diversas viagens ao longo de um ano

Existe uma modalidade de seguro viagem anual chamado seguro viagem multi trip. Ele cobre todas as viagens que você fizer ao longo de 364 dias (sim, trezentos e sessenta e quatro), desde que cada viagem não ultrapasse 30 ou 60 dias de duração, dependendo do plano contratado.

A grande vantagem, além da economia, é não ter contratar uma apólice a cada viagem realizada. Além disso, o seguro viagem anual tem como cobertura mínima a exigida pelos países europeus. Logo, ela é bem aceita em todos os países do mundo.

Diferenças do seguro viagem anual para o de curta duração

Além das vantagens supracitadas, as diferenças de coberturas entre os tipos de seguro viagem são impostos pelo tipo de plano contratado, independentemente de sua duração.

Entretanto, o seguro viagem anual pode ter algumas restrições com relação à idade do viajante.

Por exemplo, uma pessoa pode contratar um plano até os 85 anos. Mas se o período da viagem for superior a 90 dias, o seguro pode ser contratado somente se a pessoa tiver 60 anos ou menos. Sendo assim, se atente a essa restrição caso precise contratar um plano anual para idosos. Em alguns casos, pode ser que o valor dobre para pessoas acima de certa idade.

O que se deve saber antes de contratar um seguro viagem

Não importa qual o seguro viagem que você está contratando, de curta duração ou anual, sempre leia com atenção a apólice do seguro.   

Tudo o que é ou não coberto, estará descrito nas condições gerais do serviço contratado. E, caso tenha dúvidas, ligue para a operadora do serviço e esclareça todas suas dúvidas, antes mesmo da contratação.

Isso vale para qualquer tipo de seguro, inclusive o veicular. Por exemplo, quando capotamos na África já sabíamos exatamente o que estava coberto e o que não estava, pois lemos e relemos o contrato ao longo da viagem. No caso, o capotamento não tinha cobertura.

Isso foi o que sobrou do carro…

Além disso, fique atento se o plano que deseja contratar possui uma rede credenciada no seu país de destino. Afinal, se ele possuir, você não precisará realizar consultas por meio de reembolso.

Muito útil quando você já teve que pagar, digamos, uma caminhonete, antes de ir para o hospital, e estourou todos os limites possíveis do cartão.

O que seria a rede credenciada?

Em seguros viagem, anual ou não, há basicamente duas formas de ser atendido.

1 – Reembolso

Você vai ao médico que bem entender, realiza seu atendimento, paga as contas e pede o reembolso. Dessa maneira, a seguradora solicitará o envio de diversos documentos: identificação, passagem aérea, relatórios médicos relacionados ao caso, comprovantes de pagamento, etc.

A seguradora então analisará toda essa documentação para verificar se está tudo de acordo com as condições gerais do seu contrato, o que pode levar um certo tempo, para então reembolsar o segurado.

As vantagens dessa modalidade são duas: A livre escolha de ir no médico que bem entender e, possivelmente, velocidade do atendimento.

Já a desvantagem é clara: tirar a grana do atendimento do próprio bolso. O problema se acentua se sua viagem está com o orçamento limitado. Tem que estar preparado para esse tipo de imprevisto. Só que pode ocorrer o imprevisto do imprevisto, como ocorreu com a gente.

Ficou curioso? Saiba todos os desdobramentos do acidente na Namíbia e os perrengues bárbaros que passamos por causa de um seguro viagem inapropriado.

2 – Atendimento coordenado

Dessa forma você aciona a seguradora antes de ir ao médico. Para isso existem diversos meios: via WhatsApp, telefone, aplicativo próprio etc.

Assim, ao entrar em contato com a seguradora, o atendente irá perguntar algumas coisas para entender qual é o caso. Com essas informações é organizado um atendimento com a rede credenciada da operadora do seguro viagem, anual ou não.

Os atendimentos podem ser das seguintes formas: direcionamento à uma clínica ou hospital próximo, consulta em domicílio ou telemedicina. A escolha da consulta varia de caso a caso, bem como, com a disponibilidade do dia.

A grande vantagem disso é que você não precisará pagar nada! A desvantagem é que, infelizmente, dependendo do local e demanda, pode demorar.

Por isso que, em casos de emergência, as seguradoras recomendam que você vá direto ao hospital mais próximo. De lá você pode contatá-los.

Às vezes, é possível que a central de atendimento reverta diretamente a conta para a seguradora. E, se tiver sorte, é capaz que você entre em um hospital que esteja na rede credenciada do seguro viagem contratado!

Mais informações sobre seguro viagem

Opções no mercado não faltam. Entretanto, com essas rápidas dicas você já será capaz de escolher qual seguro viagem é o mais adequado para as suas viagens.

Algumas dicas finais:

– Em viagens longas, se possível, opte por coberturas de despesas médico-hospitalares (você pode encontrar na apólice pela sigla DMH) maiores, bem como coberturas por eventos. Desta forma, você terá o valor total de sua cobertura quando os problemas forem distintos.

Em outras palavras: Você está viajando e sofre um acidente e quebra o pé. Você contratou um seguro com cobertura de DMH no valor X. Logo, suas despesas cobertas pelo seguro poderão ser até X para esse evento.

Mas vai que você é zicado e sofre outro acidente. Se seu plano tiver cobertura por evento, você terá novamente o valor X disponível para tratar as consequências desse novo evento.

Portanto, em casos de viagens longas, contratar a cobertura por eventos te dará mais segurança de que terá todas as suas despesas médicas pagas ao longo do período contratado.

– Caso possua alguma doença pré-existente, verifique se o seguro viagem anual possui cobertura para isso. Por exemplo, o Vital Card cobre doenças pré-existentes em casos súbitos e agudos. Acesse e confira!

Vale ressaltar que qualquer seguro deverá sempre cobrir as despesas médicas relacionadas a doenças preexistentes que levem o segurado a um quadro de urgência ou emergência .

Saiba quais são seus direitos!

Tal cobertura é garantida em lei (SUSEP resolução CNSP nº 315). No entanto, se você tiver apenas um mal-estar devido a uma asma, por exemplo, e procurar um médico, estas despesas não serão cobertas pelo seguro viagem, seja ele anual ou não.

Espero que este texto tenha esclarecido suas dúvidas sobre seguro viagem, seja ele anual ou não.

Em síntese, não importa se sua viagem é curta ou longa, sempre contrate um seguro viagem. Afinal, sempre é melhor prevenir que remediar!

Se acaso ainda restaram dúvidas, leia mais sobre seguro viagem internacional (anual ou não) neste artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: