Áustria,  Europa,  Leste Europeu,  Viena

Explore Viena a pé! – Dia 4

30/03/2018 – Sexta-Feira

Antes de tudo, no fuso!!! Era nosso último dia, acordamos cedinho para tentar fazer o que tinha ficado pra trás e quem sabe incluir alguns extras. Bora colocar as pernas para trabalhar e explorar Viena a pé!

Stradtpark

Começamos indo visitar o Stradtpark, que estava planejado para o primeiro dia. Estava um lindo dia de sol e bem friozinho! O parque é super gostosinho, bem cuidado. Lá visitamos o monumento a Johann Strauss, logo na entrada do parque, e o Kursalon, um local para concertos e outros eventos privados.

É onde rolam os concertos que uns carinhas vestidos de roupas típicas da época de Mozart vendem lá no centro. Nos ofereceram tickets para esses concertos, mas o Andreas nos disse que não valem a pena, a qualidade musical é fraca. Tínhamos pensado em ir em um deles, para compensar não termos ido em nada na Opera mas, depois do que ele disse, achamos melhor poupar nossos euros! Contudo, se você não for um fã de música clássica e só quiser ter uma experiência, talvez seja uma opção válida. O Yu já é mais chatinho exigente com música e não ia ficar feliz.

Schloss Belvedere

Depois de dar uma volta por todo o parque, continuamos a conhecer Viena a pé e fomos caminhando até o Schloss Belvedere.

O palácio Belvedere foi construído como residência de verão do Príncipe Eugenio de Saboya e é formado pelo conjunto de dois palácios (Alto Belvedere e Baixo Belvedere) unidos por um jardim francês (cheio de linhas retas e arbustos com podas geométricas).

Entramos pelo baixo Belvedere e de lá caminhamos por todo o jardim chegando no Alto Belvedere. Não entramos em nenhum dos dois. O tipo de arte (moderna e contemporânea) que eles têm não nos agrada muito, mas para quem conhece, no alto Belvedere que está o quadro “O Beijo” do pintor austríaco Gustav Klimt. Não deixe de visitar também o jardim que fica em frente ao Alto Belvedere, que inclusive estava mais florido e mais bonito, ao menos nessa época que fomos.

Salm Bräu

Já era um pouco mais de 11h quando terminamos e já batia uma fominha. Decidimos já ir almoçar e na programação estava o restaurante e cervejaria Salm Bräu, que fica pertinho do baixo Belvedere. Lá eles servem comida típica austríaca e cervejas artesanais, algumas delas produzidas ali mesmo! Chegamos por volta das 11h30, tava vazio ainda, mas foi enchendo.

Pedimos o Schnitzel de vitela, para dividir, e dois kits degustação que continham 100 ml de cada um dos 5 tipos de cervejas que eles produzem. O Schnitzel veio acompanhado de batatas cozidas e um delicioso molho de cranberry (O Figmüller era bem mais tradicional, um casal pediu esse molho e o garçom disse que Schnitzel não se comia com molho de cranberry). Gostamos bastante das duas versões, mas o do Figmüller além de maior, achei mais gostoso também. Sem contar que aquela salada de batata era imbatível (nossa experiência lá descrevo aqui).

As cervejas também eram bem gostosas, para todos os paladares, mas achei que a gente podia ter pedido só um kit e depois pedido uma caneca da que mais gostamos, só os kits já foram suficientes para nos deixar um pouco altos! A conta ficou em torno dos 30 euros tb. Só quando chegamos a Praga é que pusemos nossos fígados à prova de verdade.

Votivkirche

De lá não lembro se pegamos o metro ou o bondinho para seguirmos até a Votivkirche, uma igreja em estilo neo-gótico, que lembra um pouco a Notredame. Muito bonita por fora, apesar de estar em reforma.

Rathausplatz

Continuamos nosso roteiro por Viena a pé, passando pela Universidade de Viena e atpe chegarmos na Rathausplatz. De um lado temos o belíssimo prédio da prefeitura, o Rathaus, um edifício também em estilo neo-gótico e do outro o Burgtheater, Teatro Nacional Austríaco.

Parlamento e Volksgarten

Seguimos caminhando até chegarmos ao parlamento, que infelizmente também estava em reforma e não dava para ver grande parte do prédio. É possível fazer um tour guiado interno, mas li que era muito cansativo.

Viena é facilmente explorada a pé!

Do outro lado da rua fica o Volksgarten, um jardim cercado, onde há várias roseiras plantadas, que infelizmente não tinha nenhuma sequer aberta para contar a história. Mesmo sem muitas flores, o achei uma graça!

Heldenplatz

Seguimos então para a Heldenplatz ou Praça dos Heróis, uma importante praça onde eventos históricos importantes ocorreram, como o Anschluss, o discurso de Hitler sobre a inserção da Áustria ao Terceiro Reich em 1938.  Em torno dela estão edifícios importantes como o Hofburg e o NeueBurg e as estátuas dos heróis do país, Carlos da Aústria e Príncipe Eugene de Savoy.

Prater

Nesse ponto havíamos concluído tudo que estava no roteiro e ainda eram umas 15h. Decidimos então ir para o Prater, o parque de diversões mais antigo do mundo, onde encontramos diversas atrações clássicas, como a roda gigante de 60 metros de altura, que data de 1897, e atrações mais emocionantes! Tem também um museu que conta um pouco da história do local, que antigamente era uma área de caça do imperador!

Os ingressos são por atração, estilo parquinho de quermesse. Passeamos por entre as atrações e por incrível que pareça, foi uma atividade gostosa, mesmo não tendo entrado em nenhum brinquedo (para desespero do Yu, que queria ir em cada montanha russa e me arrastar com ele). Na saída paramos no Bitzingers Würstelstand que tem deliciosos cachorros quentes vienenses, além do delicioso currywurst, que foi um dos nossos pedidos!

O Danúbio é azul mesmo?

De lá eu queria porque queria ver o tal do Danúbio, seria mesmo azul? Só tínhamos visto de longe e rapidamente. Pegamos o metro e descemos na estação Donauinsel, que fica numa ilha gigante no meio do Danúbio. Lá dá para praticar esportes, fazer piquenique, tem parquinhos, super gostosinho. E sim, o Danúbio é azul e enorme!!!! Tinha que rolar vídeo com a música de fundo!

Aquele voo às pressas mas que dançou conforme a música!!!

Voltamos para o continente cruzando a ponte a pé e aproveitamos para parar numa igrejinha com um estilo diferente e interessante, a Franz von Assisi Kirche (nessa altura vc já sacou que é a igreja de São Francisco de Assis, né?). Já era fim da tarde, estávamos cansados e ainda tínhamos as malas para arrumar. Com aquele aperto no coração, voltamos para o apê. Mas no dia seguinte tinha país e cidade nova!!

Veredito

Viena é uma cidade linda, super fácil de explorar muitos de seus pontos a pé cheia de história para contar, rica culturalmente, com comidas e bebidas deliciosas. Não tivemos muitos problemas de comunicação, bastante gente fala inglês, e nem de receptividade das pessoas. Comparado com os outros lugares que fomos é uma cidade de médio custo para visitar. Vá sem medo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: